Orquestra Sinfônica de Teresina faz ensaio com distanciamento social

O funcionamento de uma orquestra vai muito além da apresentação em cima dos palcos. Os ensaios são fundamentais para o sucesso dos concertos.

A pandemia do coronavírus modificou bastante a vida da Orquestra Sinfônica de Teresina (OST) e ao longo dos meses de isolamento social, os músicos da OST não pararam de trabalhar, dedicando esforços no desenvolvimento de ações em ambiente digital para garantir a excelência.

Em dezembro, com muito cuidado e após muitas discussões com especialistas e a vigilância sanitária com a diretoria, a Orquestra voltou a realizar ensaios abertos no Parque da Cidadania, seguindo rígidos protocolos de segurança e saúde. “Uma Orquestra é uma aglomeração por excelência, então foi preciso muita conversa e planejamento para voltarmos aos ensaios sem colocar as pessoas em risco, nem músicos e nem público”, conta o maestro Aurélio Melo.

Ainda em novembro de 2020, após meses de planejamento, a Orquestra voltou aos ensaios presenciais no Palácio da Música. As restrições, devido à pandemia de Covid-19, resultaram em uma série de mudanças no dia a dia da Orquestra, com disposição de álcool em gel em todas as dependências, higienização das salas entre cada ensaio e restrição de pessoas. As atividades com instrumentos que utilizam cordas têm acontecido de forma mais intensa e frequente.

Os naipes de sopro ensaiam em dias e horários diferentes para manter a segurança de todos os músicos. Pensando nisso, a diretoria da OST criou um cronograma para ajustar os ensaios. “Precisamos separar os músicos de sopro pois é mais delicado, assim, eles ensaiam em locais diferentes e com protocolos mais rígidos”, conta o maestro Hilson Costa.

Mesmo com todas as restrições, os músicos estão felizes com a volta dos ensaios. Daniel Vinicius é chefe do naipe das madeiras e toca flauta transversal. “Depois de quase um ano e toda a fatalidade que nos aconteceu, voltar aos ensaios é ter a certeza que estamos seguindo em frente. Nossos maestros, mesmo sendo grupo de risco, estão nos dando força para seguirmos”, conta o músico.

A Orquestra é mantida pela Associação dos Amigos da Orquestra Sinfônica de Teresina com a ajuda da Prefeitura de Teresina, por meio da Fundação Monsenhor Chaves.

Fred Taimo é contemplado na Lei Aldir Blanc e faz live neste sábado (30)

Para quem estava com saudade de prestigiar uma roda de samba, o cantor Fred Taimo fará uma live, neste sábado (30), a partir das 14h em seu canal no YouTube.

O artista foi um dos contemplados pela Prefeitura de Teresina, através da Fundação Monsenhor Chaves (FMC), na Lei de Auxílio Emergencial Aldir Blanc, que busca valorizar a nossa cultura e prestar apoio neste momento de pandemia.

O formato de live foi escolhido para garantir a segurança do artista e do público, uma vez que a pandemia segue atingindo vários teresinenses e os shows com público não podem ser realizados. “O setor artístico foi um dos mais afetados pela pandemia e esse benefício da lei veio para ajudar nós, artistas, que não podíamos traballhar”, conta Fred.

Fred Taimo é natural de São Paulo, mas mora em Teresina desde 2002. Começou a tocar aos 13 anos de forma intuitiva participando de rodas de samba e pagode ainda em sua cidade natal. Quando chegou a Teresina não demorou a participar das rodas de samba promovidas pelos grupos locais, como instrumentista e cantor. Atualmente, faz um trabalho voltado aos clássicos do samba, choro e bossa nova.

Para acompanhar a transmissão, acesse: www.youtube.com/fredtaimo.

Livro que conta a memória da comunicação piauiense será lançado nesta quarta (27)

Será lançado nesta quarta-feira, 27 de janeiro, às 14h30, no Canal do YouTube do Projeto Memória da Comunicação Piauiense, o livro Tempo & Memória: interfaces entres os campos da comunicação e da história, organizado pelas professoras Doutoras Ana Regina Rêgo (UFPI), Teresinha Queiroz (UFPI) e pelo Professor Doutor Antônio Hohlfeldt (PUCRS).

A publicação é resultado da parceria existente entre o Programa de Pós-Graduação em Comunicação (PPGCOM) e o Programa de Pós-Graduação em História do Brasil (PPGHB) ambos da Universidade Federal do Piauí (UFPI) e o Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS) e seus respectivos núcleos e grupos de pesquisa.

Com a intenção de reunir pesquisadores com contribuições relevantes para a historiografia e a historicidade do campo da comunicação e historiadores, a obra apresenta perspectivas e contextos históricos e comunicacionais complexos e singulares e abrange textos teóricos, textos teóricos-empíricos e análises pontuais. Sua riqueza consiste nas possibilidades de conjunção, como também de liberdade e flexibilidade para que o leitor estabeleça o próprio percurso de leitura e encontro com as narrativas.

O conjunto de 20 textos que compõem esta obra é reflexo da interlocução constante entre pesquisadores brasileiros e de outros países, em especial, Portugal, Espanha e França. Assim, os capítulos são assinados pelos pesquisadores: Roger Chartier, Francisca Rui Cádima, Ana Regina Rêgo, Marialva Barbosa, Alberto Pena, José Carlos Rueda Laffond, José Reig-Cruañes, Cristina Pelares-García, Rita Luís, David Caminada-Diaz, Allan Santos, Igor Sacramento, Jarbas Gomes Machado Avelino, Edwar de Alencar Castelo Branco, Ronyere Ferreira, Maria do Socorro  Rios Magalhães, Teresinha Queiroz, Claúdia Cristina da Silva Fontinele, Marília Mesquita Queiroz, João Benvindo de Moura, Bruno Souza Leal, Carlos Alberto de Carvalho, Phellipy Jácome, Laura Lene Lima Brandão, Elizangela Cardoso Barbosa, Nathércia Vasconcelos Santos, Nilsângela Cardoso, Pedro Vilarinho Castelo Branco, Ranielle Leal Moura, Antônio Hohlfeldt, Talyta Majorie Lira Sousa Nepomuceno, Vinicius Ferreira e Ana Paula Goulart Ribeiro.

O livro, produzido pela EdiPUCRS, contou com o apoio da Prefeitura de Teresina, por meio da Fundação Municipal de Cultura Monsenhor Chaves (FMC), através da Lei A. Tito Filho e sua versão digital pode ser adquirida nos seguintes sites: site da EdiPUCRS, Amazon, Google Books, Apple Books, Saraiva, Cultura e Kobo.  A obra também estará disponível na versão impressa nas lojas: Amazon, Estante Virtual, Submarino, Mercado Livre e Shop Time, além da própria editora.

A Lei A. Tito Filho (Lei nº 2.194) foi criada em 1993 e já possibilitou o financiamento de cerca de 180 projetos em várias áreas, o que tem contribuído para incrementar o cenário cultural da cidade. O incentivo fiscal às empresas dá-se com o ressarcimento total, pela Prefeitura de Teresina, através de desconto de ISS e IPTU (ou seja, 100% do valor investido no limite de 20% do imposto devido). O artista entrega seu projeto à Secretaria da Lei que o repassa ao Conselho Municipal de Cultura, para apreciação e posterior aprovação nas diversas áreas.

A Lei recebeu esse nome em homenagem ao Professor Arimatéa Tito Filho, escritor, que foi membro da Academia Piauiense de Letras e grande incentivador da produção e valorização da cultura teresinense.

Lançamento do livro Tempo & Memória

Data: Dia 27 de janeiro de 2021

Horário: às 14h30h

Transmissão ao vivo no canal do Projeto Memória do Jornalismo Piauiense no YouTube. Link: https://www.youtube.com/channel/UCn-D5cHsMVFG_rkHH4CHAWw/featured

Projeto Banda Escola transforma a vida de crianças e adolescentes em Teresina

Projeto Banda Escola é um programa de formação musical através de bandas de músicas com crianças e jovens dos bairros e povoados de Teresina, que chega em 2021, comemorando 33 anos de permanente atividade e de formação de músicos na cidade.  Ele cumpre um importante papel social e educativo ao colocar no mercado novos instrumentistas com sólida formação musical, prática e teórica; desempenhando um papel fundamental para a preservação e continuidade da produção cultural das bandas de músicas em várias cidades do estado, além de tirar as crianças de situações de risco e mantê-las ligadas à educação por meio das artes.

Kaylane Adryelly é uma das alunas do projeto e quando soube que um amigo estava participando da seleção, se interessou e quis participar também. “Na época, eu fui mais pra ocupar meu tempo, porém acabei me interessando mais. Comecei no clarinete, mas não deu muito certo, aí passei pra tuba e me adaptei”, conta Kaylane Adryelly.

Quem também iniciou as atividades nesse projeto foi Gustavo Cipriano, que atualmente é regente de uma banda no Escolão do Parque Itararé, mas a história dele com o projeto iniciou em 1996 na mesma escola, onde aos 12 anos começou a tocar clarinete. “O Projeto é muito importante na minha vida, foi onde eu me tornei músico, professor e tudo o que hoje eu sou como profissional eu devo ao projeto”, diz Gustavo Cipriano.

De acordo com Scheyvan Lima, presidente da Fundação Monsenhor Chaves, além das aulas, os alunos do projeto têm a oportunidade de fazer apresentações por toda cidade. “Nós trabalhamos o lado humano, mas também o profissional dos alunos e eles se tornam músicos, vão tocar em grandes bandas, vão cursar música nas universidades”, afirma Scheyvan Lima, comentando ainda que a fundação vem formando esses jovens para a vida.

O projeto Banda Escola é executado pela Prefeitura de Teresina, por meio da Fundação Municipal de Cultura Monsenhor Chaves, no âmbito das unidades escolares do município. A divulgação do calendário de matrículas é divulgado no site fcmc.teresina.pi.gov.br  e nas redes sociais da fundação.

Teatro do Boi abre inscrições para curso online de Violão Popular

O Teatro do Boi, através das suas oficinas culturais, está com inscrições abertas para o curso online de Violão Popular. O curso terá duração de três meses e as aulas serão ministradas dois dias na semana para alunos a partir de 10 anos de idade e que possuem computador ou celular com acesso à internet.

De acordo com Josué Nunes, diretor do Teatro do Boi, estão disponíveis pouquíssimas vagas. Segundo a direção “A procura pelas oficinas são muito grande e, por conta da pandemia, as oficinas e espetáculos foram cancelados e estamos buscando outras alternativas para aproximar a comunidade ao teatro.”

As inscrições são gratuitas e podem ser feitas no período de 26 de Janeiro ao dia 03 de Fevereiro. Os interessados poderão entrar em contato através do número (86) 3215 7829 ou (86) 3015 2327 no turno da manhã das 08:00 às 12:00.

Mantida pela Prefeitura de Teresina através da Fundação Monsenhor Chaves, a casa oferece, há 33 anos, diversas oficinas gratuitas como: teatro, danças, artes plásticas, música, capoeira, exposições e os mais variados eventos possibilitando uma movimentação artística não somente na região, como em toda a cidade.

Orquestra Sanfônica inicia ensaios do projeto Frevo Sanfonado

A orquestra Sanfônica de Teresina é um projeto da Fundação Monsenhor Chaves (FMC) através da Prefeitura de Teresina, que atua há 07 anos, encantando o público com acordes Sanfônicos, em arranjos que mesclam o popular e o erudito.

A partir de amanhã (19) a Orquestra retoma os ensaios e inicia mais um ciclo do projeto “Frevo Sanfonado”. Neste concerto, o público pode esperar canções populares, frevos e marchinhas, além dos clássicos instrumentais alusivos ao carnaval.

Os ensaios serão retomados seguindo todas as orientações do Ministério da Saúde, com dias divididos por naipe (grupos menores com vozes musicais idênticas), respeitando o distanciamento e com atenção ao ambiente com circulação de ar. Máscara e álcool são instrumentos fundamentais para proteção dos músicos, dificultando a disseminação do vírus.

Como uma das únicas Orquestras Sanfônicas do país, esta iniciativa permite a valorização dos projetos culturais ativos em Teresina de forma positiva e responsável.

Orquestra Escola forma novos músicos e democratiza o ensino musical erudito em Teresina

A música é um bem cultural de formação de profissionais e a educação musical da Orquestra Sinfônica de Teresina tem um papel democratizante em Teresina, através do projeto Orquestra Escola (OE).

Mantida pela Orquestra Sinfônica(OST), que é ligada a Prefeitura de Teresina, através da Fundação Monsenhor Chaves(FMC), ela oferece à população jovem possibilidades de se tornarem profissionais da área, com aulas no Palácio da Música de Teresina. As aulas são ministradas pelos próprios músicos da OST e vão desde cursos de violino, viola, violoncelo até contrabaixo acústico.

Fundada em 2004, a OE cumpre uma função importante de fomento cultural em Teresina: a formação de músicos. Muitos deles, hoje, integram os quadros da Orquestra Sinfônica de Teresina, como é o caso do violinista João Neto, que ingressou com 17 anos na OE. “Eu já fazia o curso de violino em outro lugar, quando soube da Orquestra Escola e consegui uma vaga, foi uma oportunidade única na minha vida”, diz.

Percebendo o talento do jovem músico, o spalla, David Denillin, e o maestro, Aurélio Melo, o convidaram para fazer um teste para ingressar profissionalmente na OST em 2019.

Hoje, João Neto faz parte do naipe de violinos. “Trabalhar com grandes músicos como os maestros Aurélio e Hilson é uma satisfação imensa. Eu já era fã da Orquestra e, agora, faço parte de um dos maiores patrimônios culturais”, afirma com empolgação.

O violista e chefe de naipe da OST, Raphael Martins, foi aluno da Orquestra Escola e hoje é professor. “Para mim, é um privilégio muito grande fazer parte dessas etapas, orquestra, escola, professor e músico da OST. A Orquestra Escola é um berço para a maior parte dos músicos que ingressam na Sinfônica. É um aprendizado muito grande”, conta Raphael.

Teatro João Paulo II abre inscrições para Curso de Violão Popular

Iniciam na próxima segunda-feira (18/01) e seguem até o próximo dia 22 de janeiro as inscrições para o Curso de Violão Popular oferecido pela Prefeitura de Teresina, por meio da Fundação Monsenhor Chaves (FMC). Para evitar aglomerações por conta da pandemia do Covid-19, as aulas serão realizadas de forma remota e para participar basta que os interessados sejam maiores de 10 anos e tenham computador ou celular com acesso à internet.

De acordo com Janara Ribeiro, diretora do Teatro João Paulo II, serão disponibilizadas 30 vagas, sendo todas elas destinadas preferencialmente aos moradores da zona Sudeste de Teresina. Ainda de acordo com a diretora, pessoas de outras regiões também poderão se matricular e entrarão em uma fila de espera para ocuparem as vagas em casos de desistências.

“Por conta da pandemia, o teatro teve que cancelar vários espetáculos, cursos e oficinas e agora vamos trabalhar de forma remota para que a população continue tendo acesso aos nossos serviços”, comenta.

As aulas serão gratuitas e ocorrerão no turno da tarde nos dias de terça-feira e quarta-feira, tendo duração de 90 dias. As matrículas serão feitas apenas pelo telefone através do número (86) 99539-0192, não havendo a necessidade do interessado se dirigir até o teatro.

Além da casa de espetáculos está totalmente ambientada e com capacidade para 290 pessoas e espaço para cadeirantes, o Teatro João Paulo II, localizado na Avenida Joaquim Nelson, no Bairro Parque Ideal, possui salas de aula de dança e teatro, cabines com modernos equipamentos de som e luz e, principalmente, energia positiva que emana dos que lá trabalham e se dedicam à arte de transformar um simples lugar num espaço de possibilidades de crescimento da educação e de uma independência cultural.

Para saber mais sobre o calendário de cursos oferecidos pelo teatro basta acessar o site fcmc.teresina.pi.gov.br ou seguir as redes sociais do teatro e da Fundação Monsenhor Chaves.

“Faz! Doc”: projeto promove oficina gratuita em Teresina

Trabalhar com audiovisual não é uma tarefa fácil, mas essa atividade do ramo cinematográfico vem conquistando cada dia mais os teresinenses. Pensando nisso, um grupo de cineastas desenvolveu um minicurso para os admiradores dessa arte, ensinando e compartilhando experiências na produção de cinema documental. As inscrições vão até sexta-feira,15, e as aulas serão online.

O “Faz!Doc” é um dos projetos contemplados pela Prefeitura de Teresina, através da Fundação Monsenhor Chaves (FMC), na Lei Federal de Emergência Cultural Aldir Blanc e busca promover um debate com profissionais renomados do universo audiovisual, aprofundando os ensinamentos da área.

“A gente pensou nessa oficina de forma que ela pudesse trazer um pouco de formação na área e aliar isso às experiências pessoais tanto dos organizadores, como dos convidados e inscritos”, afirma Ana Clara Ribeiro, uma das idealizadoras do projeto.

A oficina é gratuita e as aulas são voltadas para jovens e adultos (maiores de 18 anos) com conhecimento prévio sobre o assunto. Ao todo, serão ofertadas 20 vagas e os inscritos estarão sujeitos a uma seleção. Para participar, basta acessar o link disponível nas redes sociais da oficina (@oficinafazdoc) e realizar o cadastro.

O resultado da seleção será divulgado dia 22 deste mês e as aulas iniciam dia 2 de fevereiro. A oficina contará com a participação de Iana Cossoy (roteirista), Joelma Oliveira (produtora), Eliza Capai (diretora), Manoela Ziggiatti (editora), Renato Galamba (agente de vendas) e Josephine Bourgois (Projeto Paradiso).

Sobre a Lei

A Lei Federal nº 14.017/2020, também conhecida como Lei Aldir Blanc, destina o pagamento de um auxílio emergencial a artistas, produtores, técnicos e espaços culturais como forma de auxiliar um dos setores mais afetados pela pandemia do coronavírus.

Em Teresina os projetos da Lei Aldir Blanc poderão ter datas prorrogadas

Temendo aglomerações em meio a pandemia da Covid-19, os projetos aprovados pela Lei Aldir Blanc poderão ter suas datas alteradas. A Prefeitura de Teresina, por meio da Fundação Monsenhor Chaves, pretende buscar alternativas para prolongar o prazo para a realização dos projetos.

Ao todo, foram aprovados na capital 188 projetos, sendo que alguns deles preveem aglomeração de pessoas, fato que entra em discordância com as recomendações dos órgãos mundiais de saúde.

Segundo Scheyvan Lima, presidente da Fundação Monsenhor Chaves, o edital da Lei Aldir Blanc exige que os proponentes executem seus projetos até 31 de março de 2021, e isso pode contribuir com os aumentos de casos do novo coronavírus.

“Demos o pontapé inicial para buscar uma solução para esta problemática, entendemos que assim como Carnaval, eventos custeados com recursos públicos sejam adiados até que parte da população seja vacinada”, afirma. O presidente da entidade estabeleceu que até sexta-feira (15/01) terá uma definição.

Sobre a lei

Dividida em duas linhas, o edital do programa financiado pelo Governo Federal destinou mais de R$ 6,5 milhões para os trabalhadores e as trabalhadoras da cultura, iniciativas e espaços culturais de Teresina. Dos 188 projetos aprovados, apenas 19 propostas ainda não receberam os recursos, os mesmos deverão ser repassados nos próximos dias.