Galeria do Mercado Central recebe exposição Pedido de Pauta

Iniciou nesta quarta-feira (01), e segue durante todo o mês de junho, na Galeria de Artes Visuais do Mercado Central, a exposição “Pedido de Pauta”, que irá unir em um só espaço, o trabalho de seis artistas teresinenses. O nome da exposição é uma singela homenagem aos artistas que diariamente comparecem à galeria para solicitar um pedido de pauta para exporem suas artes.

De acordo com Guga Carvalho, diretor da galeria, com o fim das restrições sanitárias por conta da pandemia do Coronavírus, o espaço tem recebido um crescente número de artistas interessados em expor, isso também segundo ele, por conta do aumento do público que voltou a frequentar a galeria. Guga conta ainda que artistas como Braga Tepi, Caio Negreiros, Humberto Cordeiro, João Marciano, Paulo Guttemberg e Samuel Brandão, estarão fazendo parte desse projeto.

“O Centro de Teresina tem uma grande referência cultural, sendo o Mercado Central, um dos principais pontos onde a cultura popular segue viva. Aqui na galeria oferecemos um espaço integrado, onde quem vai a feira para fazer as compras do dia a dia, acaba tendo acesso a obras de artistas renomados”, conta Guga Carvalho, reafirmando o compromisso do espaço de cada vez mais abrir espaço para aqueles que desejam um espaço apropriado para divulgar sua arte.

A Galeria do Mercado Central é um espaço preservado e mantido pela Prefeitura Municipal de Teresina, por meio das ações desenvolvidas pela Fundação Municipal de Cultura Monsenhor Chaves. Ela funciona de segunda a sexta-feira, das 10h às 16h00 e aos sábados das 10h às 13h00, sempre se dedicando a fazer uma programação permanente com exposições temporárias que contam com artistas da cidade e de todo o Brasil.

Para mais informações sobre exposição na Galeria do Mercado Central, bem como os demais serviços oferecidos pela gestão municipal na área da cultura, basta acessar o site cultura.pmt.pi.gov.br. Nas redes sociais as informações podem ser acessadas através da hashtag CulturaTeresina ou da página @cultura_the no Instagram.

Casa da Cultura receberá exposição de arte Minhas Vivências

A Casa da Cultura, que nos últimos meses recebeu mais de seis exposições abordando não só a cultura local, mas também a mundial, receberá a exposição de arte Minhas Vivências, do artista plástico piauiense, Herbert Veras. A vernissage, abertura da exposição, ocorrerá no dia 20 de abril, às 18 horas e contará com a participação da Orquestra de Violões de Teresina, como uma forma de abrilhantar ainda mais o evento, e ainda atrelar música e arte teresinense.

Para Herbert Veras, artista plástico, aproveitar o espaço da Casa da Cultura para expor suas obras de artes é aproximar a cultura da população. Segundo ele, as temáticas utilizadas nas suas obras são sobre anatomia humana com sensualidade, ligada a curvas e movimentos.

“É importante apresentar ao público obras sobre vivências locais dos nossos artistas teresinenses. A Prefeitura Municipal de Teresina, por meio da Fundação Municipal de Cultura Monsenhor Chaves, vem apoiando essas iniciativas, fazendo com que os artistas locais sejam mais valorizados”, conta Herbert Veras.

A exposição Minhas Vivências ficará disponível à população até o início do próximo mês na nova Casa da Cultura, localizada na Rua Elizeu Martins, esquina com 7 de setembro, número 1426, em frente à praça João Luís Ferreira – Centro/Norte.

O artista, Herbert Veras começou a sua carreira artística participando de várias exposições coletivas, duas organizadas pela PRODART (Salão de Arte Santeira) pelo qual foi premiado como o 3º lugar na segunda edição do salão, participou também das exposições coletivas promovidas pelo CA de Artes visuais (Prato Cheio com Arte) quando ainda cursava artes visuais na UFPI, entre outros trabalhos.

Informações para visitantes

Taxa de serviço: R$: 2,00 por pessoa

Agendamento de visitação: (86) 99402-5428 – telefone ou (86) 98864-2231 – WhatsApp

Museu de Arte Sacra Dom Paulo Libório prepara vasta programação em homenagem ao Dia Nacional do Livro

O Museu de Arte Sacra Dom Paulo Libório, mantido pela Fundação Municipal de Cultura Monsenhor Chaves (FMC), está com uma vasta programação para o mês de outubro, com exposições, lançamento de livro e podcast.

Fernanda Fernandes, diretora do museu, conta que em todo o mês de outubro terão atividades voltadas em comemoração ao Dia Nacional do Livro, que é comemorado em 29 de outubro.

“O Museu prepara uma programação específica e muito especial para o mês de outubro, mês do qual é comemorado o Dia Nacional do Livro, o museu possui um acervo muito vasto de títulos, tanto em quantidade mas também de temas que vão além da arte sacra, como história geral, história do Piauí, do Brasil, artes, filosofia, dentre outros temas”, destacou.

Confira a programação 

De 04 à 31 de outubro está disponível no espaço de exposições do museu a exposição “Livros Antigos” que conta com títulos clássicos dos séculos XVIII, XIV e alguns do século XX.

No dia 09 de outubro será lançado o livro “O Sino da Cidade Nostálgica” do pesquisador e historiador Igor Rafael.

Em 29 de outubro, Dia Nacional do Livro, será disponibilizado o podcast onde abordará a importância dos livros. O podcast ficará disponível na plataforma do Spotify: Museu Café e Podcast e também no canal do YouTube: Museu de Arte Sacra Dom Paulo Libório.

Onde fica o Museu e qual o horário de visitação?

O Museu de Arte Sacra Dom Paulo Libório fica localizado na Rua Olavo Bilac, 1481 – Centro (Sul) e o horário de visitação é de segunda à sexta-feira, das 9h às 12h, retornando às 13h e finalizando às 17h. Nos finais de semana o Museu funcionará somente no sábado das 9h às 12h.

A taxa de visitação é de R$2 e o agendamento pode ser feito através do telefone 3215-7819.

Para mais informações sobre apresentações, exposições e atividades da FMC, acesse o nosso site cultura.teresina.pi.gov.br ou através de nossas redes sociais.

Galeria de Artes do Mercado Velho expande período da exposição Paisagem-Atravessamento

A Galeria de Artes do Mercado Central, que funciona no Centro de Teresina, expandiu o período da exposição Paisagem – Atravessamento, que traz obras de diversos artistas teresinenses. A exposição conta com obras de artistas como Fátima Campos, Grupo Mel de Abelha, Willians Martins, Gabriel Arcanjo, Nelson Barbosa, Sol, dentre outros que trazem o gênero paisagem com variedade muito grande como fotografia, pinturas a óleo, vídeos, super 8, vídeo digital e colagens.

A exposição será exibida agora até o dia 16 de outubro de 2021, a visitação é gratuita e funciona de 10h às 16h de segunda à sexta e aos sábados de 10h às 13h30. É uma ótima opção cultural para quem vai ao Centro ou para aqueles que fazem compras no próprio Mercado Central.

De acordo com o diretor da Galeria de Artes Visuais do Mercado Central, Guga Carvalho, a nova exposição é muito atrativa e segundo ele, é uma oportunidade da população ter contato com artistas locais e com o próprio espaço do mercado.

“Essa exposição é muito interessante, pois ela trata sobre o gênero paisagem, sendo vários trabalhos de artistas de Teresina. Essa paisagem é investigada de várias maneiras, então é muito interessante ver como os artistas trabalham a partir desse ponto e o mercado é sempre um convite para ser visitado pois não tem só a exposição, tem o mercado como um todo”, pontuou o diretor.

A Galeria de Artes do Mercado Central é um espaço cultural mantido pela Prefeitura Municipal de Teresina, por meio das ações da Fundação Municipal de Cultura Monsenhor Chaves. Para mais informações sobre novas exposições, acesse o site cultura.teresina.pi.gov.br ou siga as redes sociais da fundação.

Exposição Teceloas das Redes segue aberta na Galeria do Mercado Central

Localizada em um dos mercados mais tradicionais de Teresina, a Galeria de Artes Visuais do Mercado Central, no Centro da capital, está recebendo uma exposição que tem por objetivo destacar um ícone da cultura nordestina: as redes.

A exposição Teceloas das Redes trata sobre o saber-fazer da Tecelagem Manual das Redes de Dormir de Pedro II, município que fica ao Norte do Piauí e que é referência na fabricação de redes.

Com curadoria de Ivanilda Amaral, que estudou a prática do uso de redes para dormir em seu mestrado em patrimônio, ela tenta passar com a exposição o empreendedorismo com desenvolvimento da economia criativa, que gera trabalho e renda, frente aos desafios econômicos da crescente industrialização e a manutenção de práticas tradicionais na produção de redes.

Resultado da construção do inventário participativo que ela fez na cidade de Pedro II, a exposição apresenta 12 redes e dois teares e mostra toda a cadeia de produção do produto. Da colheita do algodão até a venda das redes. Para ela, o local combina com a exposição e seus objetivos, já que o Mercado Central de Teresina é referência na venda de redes.

“A Galeria oferece excelentes condições para divulgação e visibilidade, tem uma equipe incrível, além disso, é claro, da lindeza secular do lugar, que combina com a secularidade da rede de Pedro II. Soma-se a tudo o fato de que é em mercado público onde as teceloas comercializam seus produtos, então, primamos pelas raízes e originalidade da tradição”, comenta a curadora Ivanilda Amaral.

Para Guga Carvalho, diretor da Galeria de Artes Visuais do Mercado Central, a exposição mostra uma tradição nossa e reforça a importância da Galeria para os teresinenses. “A Galeria é um espaço democrático de acesso à cultura, tem acessibilidade, tem equipe educativa e está em um local de fácil acesso. É muito importante mantermos espaços assim, principalmente neste período de pandemia onde a arte ajuda a superar as dificuldades”, reforça Guga Carvalho.

A Galeria do Mercado Central tem abrigado e dado a oportunidade para artistas de Teresina e da região exporem seus trabalhos, o espaço funciona de segunda a sexta-feira das 10 às 16h e é mantido pela Prefeitura de Teresina, por meio da Fundação Municipal de Cultura Monsenhor Chaves (FMC). Para mais informações sobre o calendário de exposições na galeria, basta acessar o site cultura.teresina.pi.gov.br ou seguir as redes sociais da galeria ou da FMC.

Exposição Na folha, Na terra, Tem erê, Tem anciã continua na Galeria do Mercado Velho

Ainda dá tempo de conferir a exposição “Na folha, Na terra, Tem erê, Tem anciã”, que coloriu, nos últimos meses, as paredes da Galeria de Artes Visuais do Mercado Velho, localizado no Centro de Teresina. Com produção do Coletivo Latinas, a mostra que estava prevista para encerrar dia 3 de fevereiro, mas seguirá aberta por mais alguns dias devido a boa visitação.

“Na folha, Na terra, Tem erê, Tem anciã” marcou o retorno da Galeria, que teve de suspender suas atividades devido a pandemia da Covid-19, mas isso não impediu a exposição de ser um sucesso e contar com a presença de muitas pessoas em todo esse período.

As artistas Aline Guimarães (Línea) e Jamires Martins (Jamm), responsáveis pelas obras, apresentam em cada uma das telas e instalações, traços que trazem memórias da infância, aproximando-nos de laços ancestrais e também das ligações com a natureza.

“A gente traz, especialmente, uma pesquisa que temos desenvolvido sobre a tinta de terra (geotinta) que é natural e estamos investigando e usando em nossas obras essa nova forma de criar, pintar e entender arte como parte de nós”, diz Línea.

A exposição retrata a ancestralidade e espiritualidade e conta com a curadoria da artista Mika, que já teve participação em outros projetos da Galeria.

“Essa experiência em curadoria tem aberto mais o meu campo de conhecimento dentro das artes visuais, além dessa exposição trazer temáticas que dialogam com esse espaço que guarda muito da nossa memória local”, afirma Mika, produtora da exposição.

A exposição encontra-se na Galeria do Mercado Velho, que é mantida pela Prefeitura de Teresina por meio da FMC e desenvolve um importante trabalho ao contribuir com a revitalização do centro da cidade e ainda proporcionar um espaço para novos e consagrados artistas exporem seus trabalhos.